Tiroteio entre grupos rivais mata pessoa inocente

Marilene Vieira Martins, 39, morreu quando levava comida para a mãe

Tragédia no bairro Brasil. Dezenas de disparos de arma de fogo levaram pânico aos moradores e uma pessoa inocente acabou morta. A auxiliar de serviço, Marilene Vieira Martins, 39 anos, passava pela rua Rio Grande do Sul, na manhã desta quarta-feira (25), quando os atiradores tentaram matar um dos desafetos e acabaram a atingindo. Dois, dos diversos disparos efetuados pelos atiradores, atingiram a vítima que morreu na hora. A suspeita é de que quatro indivíduos armados com revólver e pistolas tentaram matar membros de um grupo rival que havia acabado de sair do presídio.

Até o momento ninguém foi preso, mas os policiais já possuem a identificação dos suspeitos. Após a liberação dos membros do grupo rival, os atiradores foram até a casa deles e disparam. Na casa de Diule Higor Mauro da Silva, os atiradores efetuaram, segundo parentes dele, pelo menos 30 disparos. Ninguém se feriu, mas as marcas de bala ficaram por todo lado. Um dos tiros atingiu o tanque da motocicleta, mas ele acabou conseguindo fugir pelos fundos da casa.

Nas residências dos outros alvos dos atiradores, mais disparos. Igor Rangel Cardoso, conhecido como Iguim, levou um tiro na mão e foi levado para o Hospital Regional. Outro alvo dos disparos foi o morador da rua Rio Grande do Sul. Os atiradores passaram e dispararam. Segundo informações da Polícia Militar, para tentar se safar dos projéteis, ele se escondeu atrás de Marilene que acabou atingida na cabeça e no abdômem. Ela morreu na hora, inocentemente.

A vítima que é funcionária do Hospital Nossa Senhora de Fátima ficou caída ao solo, ao lado da comida que levava para a mãe. Os moradores ficaram chocados com o crime e pediram justiça para os bandidos. Familiares tiveram que ser amparados pelos vizinhos. E a violência parece mesmo ter começado a ameaçar a população. Essa foi a mais grave de todas, mas não foi a primeira vez que uma pessoa foi atingida inocentemente em Patos de Minas. Muitos moradores pediram apoio e proteção das autoridades.

As marcas da violência. Nas ruas do Bairro Brasil foram recolhidas dezenas de cápsulas de calibres variados. Munições de pistola 45, 380, 765 e de revólver calibre .38 estavam no caminho percorrido pelos atiradores. Depois do tiroteio, moradores amedrontados com a violência é que saíram recolhendo as cápsulas para serem entregues aos policiais. Os disparos, segundo o Major Azevedo, Comandante do 15º BPM, foram efetuados por um grupo de indivíduos que são criminosos contumazes.

Os autores, todos já identificados, são rivais dos indivíduos que foram alvos dos tiros. A motivação do crime seria o acerto de contas por outras desavenças. Testemunhas disseram que Diule Ygor estava mesmo marcado para morrer quando saísse do Presídio. E o homicida seria o próprio cunhado, irmão de sua esposa. Inclusive, ela pode ter salvado a vida dele, ao sair da casa com o filho nos braços na hora dos tiros, o que gerou compaixão nos atiradores e evitou que eles disparassem mais.

Investigadores da Polícia Civil, delegados e diversos policiais militares foram até o local para analisar os vestígios para se chegar até os atiradores. Peritos fizeram imagens do local para ajudar a elucidar o crime. Major Azevedo contou que viaturas já estão empenhadas em busca dos criminosos que podem ser presos a qualquer instante. Este foi o 13º homicídio ocorrido neste ano em Patos de Minas.

Farley Rocha/Patos Hoje

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *