Corpo de padre é exumado para realização de DNA sobre paternidade em Patos de Minas

Patos HojePeritos do Instituto Médico Legal de Patos de Minas realizaram na tarde desta segunda-feira, 3 de fevereiro, a exumação dos restos mortais do Padre Roldão Gonçalves Rodrigues, em Patos de Minas. Foram coletados parte da arcada dentária e o osso da perna para realização do DNA. O exame definirá de uma vez por todas se o vendedor Fabrício Augusto Nascentes é realmente filho do sacerdote milionário. Até o momento, um exame deu positivo e outro negativo.

O corpo do padre está enterrado no cemitério de Capela das Posses, zona rural de Patos de Minas. Familiares do Padre Roldão, Fabrício, advogados e profissionais ligados ao laboratório acompanharam a exumação. O corpo estava enterrado ainda sem o túmulo a uma profundidade de cerca de 1,80m. Parentes do padre não permitiram que a imprensa acompanhasse de perto o trabalho, mas disseram que a ossada estava preservada.

O médico legista, Arnaldo Rodrigues, foi quem coordenou o trabalho. Ele fez imagens e registrou toda a exumação na presença das testemunhas para não haver problemas. A reabertura da cova foi difícil. Duas pessoas se revezaram para retirada da terra. Após o trabalho de cerca de 1h30, foram coletados nove dentes e o fêmur do corpo. O material foi colocado em uma caixa para ser encaminhado a um laboratório de Belo Horizonte.

O resultado deve sair em no máximo 100 dias. Fabrício disse em entrevista que confia no resultado positivo apesar de o último exame ter dado negativo. Ele argumentou que os profissionais do laboratório que fez o primeiro exame lhe garantiu que ele é mesmo filho do sacerdote. Ele também contou que a mãe afirma com certeza a paternidade. “Se eu não tivesse certeza não faria esse exame, já que sou eu quem estou pagando”, ressaltou.

Os familiares do padre preferiram não gravar entrevista, mas deixaram a entender que não confiam nem um pouco que o padre seria pai de Fabrício. Toda a polêmica começou após a morte do padre em agosto de 2010. A mãe de Fabrício resolveu quebrar o silêncio e contou que o padre seria seu pai. Um exame de DNA foi realizado e confirmou a paternidade.

Familiares do sacerdote pediram um novo exame e, dessa vez, o resultado foi negativo. Para resolver o litígio, a exumação foi realizada e o exame decidirá de uma vez por todas se Fabrício é filho do sacerdote que deixou uma herança milionária. Caso seja confirmada a paternidade, além de comprovar a quebra dos votos sacerdotais, todos os bens deixados pelo padre pertencerão a Fabrício.

Patos Hoje -Farley Rocha

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *