Dois porta-vozes do Egito pedem demissão em meio à crise no país

Reprodução InternetA pressão das manifestações no Egito causou, hoje (2), mais duas baixas no governo do presidente Mouhamed Mursi com a renúncia dos porta-vozes do Executivo e da Presidência da República.

Ambos apresentaram os pedidos de demissão. Como o Egito é uma república semi-presidencialista, há dois porta-vozes – um para o presidente e outro para o primeiro-ministro Hicham Qandil, que representa no caso o Executivo.

O porta-voz da Presidência, Ehab Fahmi, indicado pelo Ministério das Relações Exteriores, e o porta-voz do Executivo, Alaa Al Hadidi, anunciaram hoje que deixam o governo. A iniciativa ocorre no momento em que se intensificam os protestos no país exigindo a renúncia de Mursi. O presidente e o primeiro-ministro e o Conselho de Ministros se reuniram para discutir a crise no país.

“O governo se compromete a assumir suas responsabilidades diante dos cidadãos, sem distinção, nestas circunstâncias difíceis e críticas, segundo os interesses supremos da pátria”, disse Qandil. No total, seis ministros pediram demissão.

Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *