Operação especial coíbe tráfico de animais silvestres em Minas Gerais

A fiscalização abrangeu seis rodovias e estradas vicinais no Norte de Minas Gerais (Imagem: Acervo Sufai)

A fiscalização abrangeu seis rodovias e estradas vicinais no Norte de Minas Gerais (Imagem: Acervo Sufai)

Uma operação de fiscalização realizada de 17 a 21 de outubro, no Norte de Minas Gerais, resultou em 23 pessoas presas e a apreensão de 604 espécimes de animais silvestres, duas tarrafas e sete armas de fogo, além da aplicação de mais de R$ 409 mil em multas.

Organizada pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimentos Sustentável (Semad), em parceria com a Polícia Militar de Meio Ambiente (PMMG) e Polícia Civil (PC), a fiscalização abrangeu seis rodovias e estradas vicinais, principalmente nos municípios de Montes Claros, Mirabela, Lontra, Japonvar, Guaraciama, Bocaiúva, Januária, Manga, Bonito de Minas, Curral de Dentro, Ninheira, Fruta de Leite, São João do Paraíso, Rubelita, Rio Pardo de Minas, Montezuma, Jaíba e Francisco Sá.

A região Norte de Minas é conhecida nacionalmente como captura e rota de tráfico de animais, por isso, a necessidade de operações de fiscalização com bloqueios policiais. Nessa operação foram vistoriados 195 veículos e fiscalizados 88 alvos.

A fiscalização conjunta buscou combater o tráfico, principalmente de passarinhos, papagaios, araras, maritacas e periquitos, além de coibir o transporte e comércio ilegal de animais da fauna silvestre e identificar a origem dos animais traficados.

Estudos realizados indicam que, em geral, a fauna brasileira é retirada do norte, nordeste e centro-oeste do país e enviada para o sudeste, com destaque para Minas Gerais, sul e outras regiões do nordeste, por meio terrestre ou fluvial. Na região do sudoeste baiano, por exemplo, o tráfico de animais silvestres é apontado como um problema socioambiental com sérias consequências para a avifauna nativa, sendo que o principal comércio nessa região ocorre ao longo das rodovias mineiras, bem como em feiras e pequenos comércios às margens de rodovias.

Além disso, estima-se que cerca de 38 milhões de exemplares da fauna sejam retirados anualmente da natureza e que aproximadamente quatro milhões deles sejam vendidos. “A retirada desses animais na natureza é muito prejudicial ao meio ambiente, pois, grande parte deles é dispersora de sementes e polinizadores da natureza, além de contribuírem para o controle de pragas. Essa retirada pode provocar um distúrbio no ciclo ambiental”, enfatiza o diretor de Fiscalização de Recursos Faunísticos e Pesqueiros da Semad, Marcelo Coutinho.

Agência Minas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *