Blitz educativa para conscientizar sobre tráfico de pessoas

Ação faz parte da campanha Coração Azul e foi realizada no saguão do aeroporto de Confins. (Imagem: Carlos Alberto/Imprensa MG)

Ação faz parte da campanha Coração Azul e foi realizada no saguão do aeroporto de Confins. (Imagem: Carlos Alberto/Imprensa MG)

A Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania (Sedpac), em parceria com a Polícia Federal, realizou sexta-feira, 29, no saguão de embarque do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, uma blitz educativa sobre o enfrentamento ao tráfico de pessoas.

A ação antecedeu o Dia Mundial do Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, comemorado neste sábado, 30, e faz parte da campanha Coração Azul, cujo objetivo é conscientizar as pessoas sobre esse crime e despertar a solidariedade com as vítimas.

Durante o evento, que contou com cinco técnicos do  Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (NETP) da Sedpac e 2 policiais federais, as pessoas que passaram pelo local receberam material sobre a campanha e tiveram informações sobre o que é tráfico de pessoas e quais os mecanismos de denúncia. Foram distribuídos também botons, flyers e cartilhas sobre direitos sociais para estrangeiros.

Além da ação de hoje, durante a semana foi realizada uma série de atividades, como a roda de conversa “Diálogos sobre a prevenção ao tráfico de pessoas e compartilhamento da experiência do Giftbox em Minas Gerais” e debates sobre “Adolescência e tráfico de pessoas: conversando pra não cair nessa!” e “Trabalho escravo infantil”.

Segundo a gerente de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas de Minas Gerais (NETP) da Sedpac, Rafaela da Costa, as ações em Minas Gerais para o enfrentamento ao tráfico de pessoas começaram bem antes da semana de mobilização, que teve início na última segunda-feira (25/7).

Ela conta que a Sedpac desenvolveu o projeto Giftbox, que recebeu a visita de 1.662 pessoas que foram informadas sobre o tema. Foram capacitados também 80 multiplicadores para fomentar essa discussão, seja no meio profissional, na rede pessoal ou até mesmo junto à vizinhança.

Rafaela da Costa lembra ainda que a Sedpac realizou caravanas de enfrentamento ao tráfico de pessoas nos municípios de Poços de Caldas, Uberlândia, Juiz de Fora e Governador Valadares. Além disso, foram feitas rodas de conversa sobre a Rede de Enfrentamento à Violência contra a Mulher e cursos para técnicos da Subsecretaria de Medidas Socioeducativas, vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Social (Seds).

O tráfico

O tráfico de pessoas compreende atos, meio e uma finalidade, que é a exploração. Os atos são de recrutamento, transporte, transferência, alojamento e acolhimento de pessoas utilizando-se da ameaça, uso de força e outras formas de coação, engano, abuso de autoridade e situação de vulnerabilidade. O objetivo é a exploração, seja da prostituição, sexual, do trabalho, seja para a extração de órgão.

Em Minas Gerais, o número de vítimas do tráfico de pessoas chega a 637 de 2011 a 2016, segundo o NETP. Houve também o acompanhamento de 102 situações de tráfico no mesmo período e o número de pessoas acompanhadas (vítimas e familiares) alcançou 691.

Como denunciar

Para denunciar as situações de tráfico, as pessoas podem entrar em contato com os serviços do Disque 100 ou Disque 180, cujas ligações são gratuitas. Também para receber informações sobre o assunto, retirar material ou denunciar casos de suspeita de tráfico de pessoas, o interessado pode procurar pessoalmente o Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, que funciona na Casa de Direitos Humanos em Belo Horizonte (Av. Amazonas n° 558), ou ligar para o telefone (31) 3270-3283.

Agência Minas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *