Hortaliças têm queda de preços em oito capitais

(Imagem: J. Freitas/Agência Brasil)

(Imagem: J. Freitas/Agência Brasil)

Em agosto, os preços da batata, cebola, alface e cenoura foram os que tiveram maior queda no preço nos supermercados do País. A informação é do 9º Boletim Prohort de Comercialização de Hortigranjeiros nas Ceasas em 2016, divulgado, nesta terça-feira (20), pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Segundo o estudo, batata e cebola lideram a baixa de preço em todos os mercados estudados. Os maiores percentuais de redução para as duas hortaliças aconteceram na Ceasa Brasília: 23% para batata e 27,81% para cebola. Alface e cenoura também registraram recuo de valores na maioria das centrais de abastecimento analisadas. As quedas nos preços aconteceram devido às condições climáticas favoráveis que aumentaram a oferta dos produtos.

O levantamento é feito mensalmente, a partir de informações fornecidas por grandes mercados atacadistas do País, por meio do Programa Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro (Prohort) da Conab. Para a análise do comportamento dos preços de agosto, foram considerados os principais entrepostos dos Estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Paraná, Ceará, Pernambuco e Distrito Federal.

A exceção deste mês foi o tomate, que registrou aumento em sete das nove Ceasas estudadas. Os maiores reajustes aconteceram em Campinas (SP) e Belo Horizonte (MG), com índices de 37,26% e 33,55%, respectivamente. Já nas centrais de abastecimento de Fortaleza e Recife houve queda de 10,10% e 4,11%, respectivamente. O estudo aponta que pode haver alta também em setembro em função das adversidades climáticas.

Frutas

Após três meses de queda contínua de preços, o mamão apresenta alta generalizada e substancial. Nas centrais de Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Curitiba e Brasília, a fruta teve aumento de três dígitos, com índices subindo entre 118,24%, em Brasília, e 159,43%, em BH.

O menor reajuste aconteceu nas capitais nordestinas Recife (39,34%) e Fortaleza (41,81%). A tendência deve se manter até o fim do ano, resultado da redução da oferta em razão da seca no norte de Minas Gerais e no oeste do Espírito Santo.

A Banana também apresentou alta nos valores, principalmente em Curitiba (39,37%) e Campinas (38,49%). O aumento também se deu pela queda na oferta, mas devido às geadas e queda da temperatura em algumas regiões produtoras. Já a melancia apresentou queda de preços em seis dos nove mercados estudados, em função da safra de Goiás e Tocantins, com aumentos apenas no Nordeste – entre 10% em Recife e 15,7% em Fortaleza.

Portal Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *