Militares brasileiros se preparam para assumir missão no Líbano

A atuação será em fevereiro no 9° Contingente Brasileiro no Líbano (Foto: Divulgação/Tereza Sobreira)

A atuação será em fevereiro no 9° Contingente Brasileiro no Líbano (Foto: Divulgação/Tereza Sobreira)

Militares da Marinha que vão integrar, no fim de fevereiro próximo, o 9° Contingente Brasileiro no Líbano, participaram de uma semana de palestras no Ministério da Defesa, em Brasília (DF).

O evento foi coordenado pelo Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA).

A preparação, concluída na última sexta-feira (17), buscou alinhar conceitos de proteção e segurança aplicáveis nas operações de paz que acontecem sob a égide da Organização das Nações Unidas (ONU).

Mais de 260 homens vão compor a tripulação da fragata União (F45), embarcação nacional que compõe a Força-Tarefa Marítima da Força Interina das Nações Unidas no Líbano (FTM-Unifil).

O futuro comandante da União, capitão-de-fragata Guilherme Lopes Malafaia, considerou a iniciativa do EMCFA proveitosa. “Teremos quatro semanas de adestramento no Centro Conjunto de Operações de Paz (CCOPAB) e, depois, algumas atividades a bordo do navio, tanto teóricas quanto de avaliações no mar”, disse.

Passagem de comando

Os militares designados para a missão vão participar, no início de 2015, da passagem de comando entre as fragatas Constituição e União.

A troca de função e serviço – chamada de handover pela Marinha – acontece em Beirute, no Líbano. A partir da ação, a fragata União será empregada pela ONU na missão de paz, enquanto sua antecessora retorna ao Brasil.

O Brasil na Unifil (Líbano)

Também está prevista para o fim de fevereiro a passagem de comando da FTM, com a substituição do contra-almirante brasileiro Walter Eduardo Bombarda pelo o contra-almirante Flavio Macedo Brasil.

A fragata União é composta por militares de diversas especialidades da Marinha do Brasil. Além da tripulação regular, participam da missão o Destacamento Aéreo-Embarcado (DAE) – que opera a aeronave AH-11 Super Lynx –, o Grupamento de Mergulhadores de Combate (GruMeC) e o Destacamento de Fuzileiros Navais.

Os efetivos contribuem na operação de interdição marítima, objetivo principal da missão da ONU. “Nessa situação, temos de monitorar o tráfico marítimo, identificando os navios.

Caso seja confirmada alguma ação suspeita, indicamos as embarcações a serem abordadas e a Marinha do Líbano faz a vistoria”, afirmou o comandante Malafaia.

Troca de experiências

De acordo com o conselheiro Eduardo Uziel, do Ministério de Relações Exteriores (MRE), o Oriente Médio é uma região de conflitos históricos, mas Líbano e Brasil têm fortalecido suas relações a partir da troca de experiências profissionais.

Durante a missão, militares brasileiros também procuram contribuir para a formação e o adestramento da Marinha libanesa, que ainda está em fase de desenvolvimento de procedimentos e doutrinas.

Fonte: Ministério da Defesa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *