Manifestantes resistem a ação da PM de isolar antigo Museu do Índio

Manifestantes resistem a ação da PM  (Foto: Tomaz Silva/ AgBr)A Polícia Militar concluiu a desocupação do prédio do antigo Museu do Índio, ao lado do Estádio Jornalista Mário Filho, o Maracanã, na manhã desta segunda-feira (16). Sob a ordem do Comando-Geral da PM, policiais do Batalhão de Choque entraram no prédio por volta das 8h e retiraram os últimos ocupantes ao redor das 9h30.

As cerca de 20 pessoas que ocupavam o prédio desde domingo (15) foram levadas para a Delegacia da Praça da Bandeira em um ônibus da Polícia Militar. Já com o prédio desocupado, houve confusão entre manifestantes e policiais militares, quando o índio Ash Ashanink foi imobilizado por policiais enquanto conversava com jornalistas. Manifestantes reagiram e a polícia dispersou a confusão com spray de pimenta.

O advogado André de Paula, da Frente Internacionalista dos Sem Teto, tentou falar com os manifestantes encaminhados à delegacia, mas foi impedido pelos policiais. “Legalmente eu tenho direito de falar com eles, mas estou sendo impedido. Isso é um estado de exceção”.

O indígena Zé Guajajara subiu em uma árvore (Foto: Tomaz Silva/ AgBr)

O indígena Zé Guajajara subiu em uma árvore (Foto: Tomaz Silva/ AgBr)

Apenas uma das pessoas que ocupavam o prédio continua no terreno do museu. O indígena Zé Guajajara subiu em uma árvore e policiais e bombeiros tentam convencê-lo a descer. Os bombeiros chegaram a usar uma escada, mas não conseguiram chegar até o índio.

A pista da Radial Oeste, sentido centro, que estava interditada desde as 6h foi liberada por volta das 10h. Policiais militares do Batalhão de Choque continuam fazendo um cerco ao prédio.

O governo do estado divulgou, na manhã desta segunda-feira, uma nota reiterando que o prédio do antigo Museu do Índio não será derrubado e sim transformado em um Centro de Referência das Culturas Indígenas. Já o prédio que abrigou o antigo Laboratório Nacional Agropecuário do Ministério da Agricultura e que foi ocupado pelos índios no domingo, será mesmo demolido.

“O prédio em que houve ontem (15), domingo, uma invasão foi um dos quatro prédios que foram comprados do antigo Ministério da Agricultura pelo governo do estado do Rio. Ali, é o local previsto para serem construídas as estruturas temporárias do Estádio do Maracanã para a Copa do Mundo. A demolição da área que era do Ministério da Agricultura será realizada pela Concessionária do Maracanã, com autorização do estado. Depois da Copa, esta área onde ficará a estrutura provisória será utilizada para a construção do Museu do Futebol, previsto para ficar pronto para as Olimpíadas”, diz a nota.

No início da tarde, a PM isolou a área do antigo Museu do Índio com grades. Durante a colocação das grades, houve confusão porque alguns manifestantes não queriam deixar o espaço que seria isolado.

Alguns deles chegaram a ser arrastados pelo chão. Um dos manifestantes foi preso por resistir à ação dos policiais. A desocupação do prédio ocorreu durante a manhã.

Neste momento, um negociador da PM tenta convencer o índio Zé Guajajara, que subiu na árvore no início da manhã a abandonar o local. Há pouco, manifestantes hostilizaram repórteres no local e teve empurra-empurra.

Fonte: Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *