Minas Gerais já conta com 251 cachaças certificadas

O programa de certificação é de adesão voluntária, voltado para produtos agropecuários e agroindustriais

O programa de certificação é de adesão voluntária, voltado para produtos agropecuários e agroindustriais

Valorizar os produtos mineiros, proporcionar maior garantia de mercado aos produtores rurais e uma oferta de produtos de qualidade para o consumidor. São objetivos dos programas de certificação executados pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) para agregar cada vez mais valor a produtos tradicionais no Estado, como a cachaça.

Durante o ano de 2012, o IMA certificou mais 25 marcas de cachaça de alambique, sendo que atualmente, Minas Gerais conta com 251 marcas certificadas. A meta para este ano é certificar pelo menos mais 30, sendo que este número pode aumentar de acordo com a demanda dos produtores. A expectativa para 2013, em relação ao número de estabelecimentos produtores de cachaça certificados é que aumente em torno de 10%. Atualmente, o Estado possui 182 estabelecimentos devidamente certificados.

O programa de certificação é de adesão voluntária, sendo voltado para produtos agropecuários e agroindustriais. No caso da cachaça, é destinado para a produção artesanal, que utiliza o fermento natural com a destilação em alambique de cobre. O interessado em participar desse processo pode procurar um dos escritórios do Instituto para receber as orientações necessárias.

No momento de requerer a certificação, o produtor pode optar por três sistemas produtivos da cana: o sistema orgânico, o sem agrotóxicos e o sistema tradicional. No primeiro, a cana deve ser cultivada sem agrotóxicos e adubos químicos. No segundo, não pode haver aplicação de agrotóxicos, porém o uso do adubo químico é permitido. E no tradicional, é permitido o uso de agrotóxicos e adubos químicos indicados para esta cultura, dentro dos parâmetros agronômicos prescritos.

As cachaçarias são certificadas segundo o processo de produção usado, atendendo os procedimentos de boas práticas de fabricação, adequação social e responsabilidade ambiental. Esses estabelecimentos passam a ter o direito de uso do certificado, da marca de conformidade e dos selos de certificação oficiais do estado de Minas Gerais, que são divulgados nas garrafas.

Segundo o diretor-geral do IMA, Altino Rodrigues Neto, o programa de certificação da cachaça é um estímulo e traz vantagens para os produtores, exportadores e consumidores. “Há um aumento da competitividade com a aceitação da bebida em novos mercados. Além disso, a certificação atesta a garantia de procedência do produto ofertado, dando opções de qualidade para os consumidores”, comenta.

 

Representatividade

O IMA é acreditado pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) como Organismo de Certificação de Produtos (OCP) para cachaça e como Organismo Avaliador da conformidade para produtos orgânicos, condição que propicia maior credibilidade e notoriedade em âmbito nacional e internacional no processo de certificação de produtos agropecuários.

Agência Minas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *