MLST homenageia vítimas de triplo homicídio

Bandeiras, cruzes e réplicas de caixões para lembrar as vítimas

Bandeiras, cruzes e réplicas de caixões para lembrar as vítimas

Um mês após o triplo homicídio que vitimou três integrantes do Movimento de Libertação dos Sem Terra (MLST), uma manifestação foi realizada no local onde a chacina aconteceu, na MGC-455. Além dos integrantes do movimento, também participou da manifestação o superintendente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Carlos Calazans.

“A promessa é que todo mês, até descobrirem quem foi que cometeu o crime, é fazer essa manifestação”, disse o superintendente. Calazans também afirmou que, por meio do deputado federal Gilmar Machado (PT/MG), será criada uma comissão especial no Congresso Nacional para acompanhar o caso, uma vez que há suspeitas de disputas de terra teriam motivado o crime.

Valdir Dias Ferreira, 40 anos, Milton Santos Nunes, 52 anos, e Clestina Leonor Sales Nunes, 48 anos, foram homenageados com bandeiras do movimento, cruzes e réplicas de caixões. Eles mortos com dois tiros na cabeça cada um, na manhã do dia 24 de março. Uma criança de cinco anos presenciou o crime. O menino foi incluído no Programa de Proteção à Testemunha.

O delegado encarregado de investigar o triplo homicídio, Kleyverson Rezende, irá solicitar ao Ministério Público a prorrogação do prazo para conclusão do inquérito, que inicialmente é de 30 dias, uma vez que as investigações não foram concluídas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *