Sub-20 empata com o Chile e conquista o título

(Imagem: Lucas Figueiredo/CBF)

(Imagem: Lucas Figueiredo/CBF)

Jogo disputado, pressão da torcida e muito frio no Estádio Fiscal de Talca. Este foi o cenário da conquista da Seleção Brasileira Sub-20, que levantou o caneco do Quadrangular de Seleções neste domingo, 16, ao empatar em 1 a 1 com os donos da casa, o Chile.

Apesar de contar com a vantagem do empate para conquistar o título, a Seleção Brasileira não jogou de forma defensiva em nenhum momento. Pelo contrário. Já nos primeiros minutos, em falta cobrada por Matheus Sávio, acertou o travessão chileno.

A ofensividade brasileira foi premiada aos 32 minutos do primeiro tempo. Lucas Paquetá fez bela jogada pela direita, deixou o zagueiro no chão e rolou em profundidade para Felipe Vizeu. O camisa 9 emendou de primeira, cruzado e certeiro, e abriu o placar.

Depois de terminar o primeiro tempo sem levar sustos, a Seleção Brasileira voltou para o segundo tempo com Jefferson no lugar de Marlon, que já tinha cartão amarelo, na lateral-esquerda.

O Chile, por sua vez, entrou melhor no segundo tempo e ensaiou uma pressão que terminou em gol, após lance de muita confusão dentro da área brasileira.

Após o gol, Rogério Micale colocou Léo Jabá e Ravanelli nos lugares de Giovanny e Lucas Paquetá, respectivamente. Depois foi a vez de Matheus Fernandes substituir Matheus Sávio.

O jogo seguiu igual, com muita disputa no meio-campo, mas a rede não voltou a balançar. Sendo assim, a Sub-20 conquistou o segundo título das categorias de base da Seleção neste fim de semana. No sábado, a Sub-17 foi campeã da BRICS Cup 2016, na Índia.

– É importante ganhar títulos, a Seleção Brasileira sempre entra em competições para ganhar. Mas o que fica de legado é a experiência que pudemos proporcionar a este atletas, muitos deles vestindo a amarelinha pela primeira vez, e também a observação deles em ação pela Seleção. Será de fundamental importância para a disputa do Sul-Americano Sub-20 do Equador e o Sul-Americano Sub-17 do Chile – comentou Erasmo Damiani, coordenador das categorias de base da CBF.

No Chile, por exemplo, dos 22 jogadores, 11 deles disputaram uma partida com a camisa da Seleção pela primeira vez. Observar como se portarariam em campo e fora dele era um dos principais objetivos deste período reunido. Após a conquista, já no vestiário, Rogério Micale deixou o recado.

– Vocês deixaram uma ótima impressão, mas agora vocês têm de voltar com o mesmo espírito para seus clubes. É o que vocês vão fazer lá nos próximos meses que pode garantir uma convocação para o Sul-Americano. Mantenham o foco. Eu e os observadores vamos continuar de olho e tudo o que vocês fazem. Podem ter certeza, eu estou sempre de olho e buscando informações sobre o momento de vocês.

Além da conquista dos títulos e da experiência, a forma como as vitórias vieram nas duas Seleções mostra o caminho quem vem sendo seguido pelas equipes. Futebol ofensivo, equilíbrio nas ações, jogo coletivo, estas foram algumas das características das duas campanhas. Na Índia, a Sub-17 foi campeã com cinco vitórias, com direito a goleada na final. No Chile, a Sub-20 venceu as duas primeiras e empatou a última.

BRASIL

Cleiton, Gustavo, Nathan, Lucas Cunha e Marlon (Jefferson); Douglas, Caio Henrique e Lucas Paquetá (Ravanelli); Matheus Savio, Felipe Vizeu e Giovanny (Léo Jabá).

CBF

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *