Chuva impede o fim do evento-teste de BMX. Pista terá mudanças até os Jogos

Chuva impede o fim do evento-teste de BMX. Pista terá novas mudanças até os JogosO evento-teste de BMX foi interrompido, neste domingo (04), antes do fim das provas devido às condições meteorológicas. A chuva atingiu a pista montada no Parque Radical do Rio, em Deodoro, no início da tarde, quando eram realizadas as baterias de quartas de final entre os homens e as semifinais femininas. As provas pararam por cerca de duas horas. A organização esperou até 16h e optou pelo cancelamento do resto da competição. Os mais velozes até aquele momento foram premiados. Pilotos e organização chegaram ao consenso de que ainda haverá ajustes no traçado até os Jogos de 2016.

Muitas das mudanças pedidas pelos atletas na sexta-feira – quando foi questionado o traçado, considerado radical demais – foram executadas ao longo do sábado. A velocidade dos trabalhos surpreendeu os pilotos, mas ainda assim não foi suficiente. Parte do percurso masculino – que é de 399m – não foi utilizada e os homens competiram no traçado feminino, de 372m.

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, considerou que as mudanças realizadas já no sábado demonstraram a capacidade brasileira de adaptação. Ele cobrou mais diálogo da União Ciclística Internacional (UCI) com os atletas da modalidade.

O presidente do Comitê Organizador dos Jogos Rio 2016, Carlos Nuzman, também enfatizou que a pista foi construída por empresa indicada pela UCI. Ele criticou a postura do delegado técnico da UCI e dos atletas que se recusaram a treinar na pista na sexta-feira.

“O evento teste é para ser testado. E isso é feito no mundo inteiro. A pista foi construída por uma empresa indicada e aprovada pela Federação Internacional de Ciclismo. Então me surpreendeu o delegado técnico não ter segurado e dado as determinações do que deveria ser feito”, disse Nuzman.

O delegado técnico da UCI, Kevin MacCuish, argumentou que uma pista não é 100% aprovada até que haja um evento-teste de sucesso. “A pista não é de fato totalmente aprovada até termos o evento-teste e realizar as mudanças sugeridas, e acredito que alcançamos isso. De fato tivemos um design aprovado e construído, mas não é como uma quadra de basquete, onde você pode colocar madeira e medir precisamente como a quadra vai se comportar. O processo para a pista de BMX inclui muitos testes com pilotos. Foi importante”.

Treinos no ano olímpico

O diretor executivo de Esportes do Comitê Rio 2016, Agberto Guimarães, informou que não será realizado outro evento-teste. Entretanto, a pista será aberta para treinos aos pilotos no ano que vem, assim como foi feito em Londres 2012, e mais mudanças podem ser feitas a partir disso.

Além da pista, puderam ser observados no evento-teste outros aspectos como a apresentação esportiva, a tecnologia de resultados e os serviços médicos.  “Os atletas que tiveram algum tipo de acidente foram socorridos da forma como tinham que ser socorridos, foram transportados e não houve problemas”, disse Agberto.

Acidentes com brasileiros

Dois atletas brasileiros acidentaram-se no período de treinos, de manhã, e tiveram que ser encaminhados a um hospital na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Bianca Quinalha fraturou o punho direito e passou por cirurgia na tarde deste domingo. Segundo a mãe da atleta, tudo correu bem e foram colocados uma placa e sete pinos.

De acordo com amigos que acompanhavam os treinos, Rogério Reis chegou a ficar desacordado após uma queda. Ele passou por exames que constataram fratura na clavícula e na costela, lesão na vértebra L4 e no pulmão. Segundo informações da assessoria da Confederação Brasileira de Ciclismo, o piloto fez um dreno e passa bem na noite deste domingo. Ele ficará em observação e fará novos exames nesta segunda.

Para o técnico da Seleção Brasileira, Guilherme Pussieldi, as quedas fazem parte do esporte e não têm relação com características da pista olímpica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *