Ministério do Esporte reforça investimentos na preparação de atletas do tênis de mesa

Ministério do Esporte reforça investimentos na preparação de atletas do tênis de mesaTermo aditivo publicado nesta terça-feira (22) no Diário Oficial da União (DOU) define a suplementação de recursos, alteração do plano de trabalho e prorrogação de vigência de convênio celebrado entre o Ministério do Esporte e a Confederação Brasileira de Tênis de Mesa (CBTM). Com acréscimo de R$ 1.212.400,26 e nova vigência até 20 de setembro de 2016, o convênio tem por objetivo a preparação de atletas olímpicos de alto rendimento para a participação nos Jogos Rio 2016.

Os investimentos na Seleção Brasileira da modalidade já permitiram a contratação de técnicos, formação de equipe multidisciplinar e aquisição de equipamentos (mesas de jogo e de arbitragem, pisos, placares, bolas, redes, robôs, aparelhos de ginástica, aparelhos de fisioterapia, filmadoras, monitores, computadores e câmeras fotográficas).

A partir do convênio, a CBTM estruturou quatro centros para a modalidade olímpica, nas cidades de São Caetano do Sul, São Bernardo do Campo, São Paulo e Santos. O aditivo publicado nesta terça-feira tem como prioridade manter a preparação dos atletas, com manutenção da equipe e possível contratação de novos profissionais.

A preparação de atletas paralímpicos de alto rendimento para 2016 é objeto de outro convênio entre o Ministério do Esporte e a CBTM. No dia 27 de agosto, foi publicado no DOU o termo aditivo que prorroga a vigência do convênio para os mesatenistas paralímpicos até 20 de outubro de 2016, com recursos de R$ 2.206.430,93.

Nesse caso, o convênio permitiu a estruturação de dois Centros de Treinamentos Paralímpicos em Brasília (andantes) e Piracicaba (cadeirantes) para a preparação dos atletas brasileiros, com custeio de comissão técnica e multidisciplinar e aquisição de equipamentos.

Desde 2010, o Ministério do Esporte celebrou seis convênios com a CBTM. Juntos, eles somam R$ 14,4 milhões. Além da estruturação de centros de treinamento, contratação de comissão técnica e aquisição de equipamentos, os recursos permitem a realização de cursos, treinamentos e participação de atletas em competições no Brasil e no exterior.

Bolsa-Atleta

No total, 260 mesatenistas – entre olímpicos e paralímpicos – recebem a Bolsa-Atleta, o que significa um aporte anual de R$ 3,7 milhões. Outros R$ 816 mil ao ano chegam a cinco jogadores do tênis de mesa paralímpico por meio da Bolsa Pódio: Bruna Alexandre, Iranildo Espíndola, Aloísio Alves, Bruno de Paula Peres e Jennyfer Marques.

Entre 2007 e 2013 foram captados R$ 2,15 milhões em projetos via Lei de Incentivo ao Esporte. Em 2014, foram repassados R$ 2,6 milhões via Lei Agnelo/Piva.

Fonte: Ministério do Esporte 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *