Brasil encara a Argentina pelo Desafio Internacional

Seleção brasileira infanto juvenil feminina vai encarar mais um difícil.

Depois de levar a melhor sobre o Japão, a seleção brasileira infanto juvenil feminina vai encarar mais um difícil adversário no Desafio Internacional: a Argentina. As equipes se enfrentarão quatro vezes. Os jogos, que servem como preparação para o Campeonato Sul-Americano, que será realizado no Peru, em novembro, acontecerão em Poços de Caldas (MG), com entrada gratuita. E o primeiro jogo será nesta terça feira (18), no Ginásio Municipal. A segunda partida, na quarta-feira, acontecerá nos mesmos horário e local. Na quinta e sexta-feira, as equipes voltarão a se enfrentar.

O técnico Maurício Thomas terá à disposição as mesmas atletas que duelaram contra o Japão. São elas: as levantadoras Thais, Lyara e Daniela; as centrais Gabi, Laiza, Fernanda e Marcella; as ponteiras Edinara, Lana, Karoline, Gabriela e Sabrine; a oposta Lorenne; além das líberos Lais e Yumi.

Para o treinador brasileiro, o confronto contra as rivais sul-americanas vai ser tão difícil quanto o duelo contra as japonesas, apesar de terem um estilo de jogo bem diferente.

“Enfrentamos a Argentina no ano passado, na semifinal do Sul-Americano Infantil, e nos surpreendemos muito. Foi um jogo complicadíssimo, decidido nos detalhes. A Argentina está evoluindo bastante nas categorias de base, estão investindo muito. O nosso time aprendeu muito jogando contra o Japão. Tivemos um salto de qualidade grande”, comentou Maurício.

Um dos destaques brasileiros no Desafio Internacional contra o Japão, a ponteira Karoline, capitã do time, acredita em jogos muito disputados. Com dois bons testes antes do Sul-Americano, a tendência do time é evoluir bastante.

“Espero que os jogos sejam muito produtivos e ajudem ainda mais na evolução e na união do time, para que possamos chegar bem preparadas no Sul-Americano. A Argentina vai nos incomodar bastante, mas de uma forma diferente do Japão. As japonesas são baixas e defendem muito, já as argentinas são jogadoras mais altas, parecidas com a gente” disse Karoline.

CBV

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *