Atletismo dá pódio triplo ao Brasil nas Paralimpíadas

Atletas e guias posam para foto em pódio inédito para o Brasil nas Paralimpíadas

O Brasil conquistou nesta quarta-feira (5) um pódio triplo inédito na história de sua participação em Paralimpíadas. Terezinha Guilhermina, Jerusa Santos e Jhulia Karol cruzaram praticamente juntas a linha de chegada nos 100m T11 feminino, com os tempos de 12s01, 12s75 e 12s76, respectivamente. Além do ouro, Terezinha conseguiu baixar o recorde mundial, que já era dela (12s04, no Mundial de Christchurch, em 2011).

“Essa vitória é muito especial, principalmente depois do que aconteceu (ela e o guia Guilherme Santana não terminaram a final dos 400m T12, na véspera). Pude mostrar ao mundo que num dia a gente pode chorar, mas no outro sorrir e dançar. Ganhar o ouro tem um sabor diferente aqui em Londres, porque em Pequim (2008) tropecei na saída dos 100m. O recorde mundial foi bom, mas tinha que ser abaixo dos 12s. Vou guardar para o Rio 2016”, afirmou a velocista cega mineira.

Por conta de um desconforto muscular, Luiz Henrique não correu com Jerusa, que teve como guia Leonardo Lopes (guia de Daniel Mendes). Leonardo cedeu o pódio ao guia oficial da atleta. “Eles (Jerusa e Luiz Henrique) fizeram o trabalho nesse ciclo juntos e não seria justo ele ficar fora nesse momento”, comentou Leonardo.

Estreante nos Jogos Paralímpicos, Jhulia estava com a medalha de bronze “travada na garganta”. No domingo (2), a velocista ficara em quarto na final dos 200m T11, e entrou decidida a subir no pódio nos 100m. “É uma emoção muito grande. Inexplicável. Dedico à minha família, meus amigos e a todos que confiaram em mim”, disse.

Ainda pelas finais, uma passagem fora do setor de troca desclassificou o Brasil no Revezamento 4x100m T42/46. Formado por Emicarlo Souza, Yohasson Nascimento, Antônio Delfino e Alan Fonteles, o grupo chegou a completar a prova em segundo lugar, com tempo de 41s92. Na final dos 100m T46 feminino, Sheila Finder fez a quinta melhor marca da prova, com 13s33.

Nas eliminatórias dos 100m T44, Alan Fonteles completou a bateria em 11s56, garantindo vaga na final. O melhor tempo foi do britânico Jonnie Peacock (11s08), recordista mundial. O sul-africano Oscar Pistorius venceu sua bateria e fez o segundo melhor tempo entre os finalistas (11s18). A prova será disputada nesta quinta-feira (6), às 21h24 (17h24 de Brasília).

“Agora vou descansar para dar o meu melhor amanhã (quinta-feira), na final dos 100m”, afirmou Alan, chateado com a desclassificação no revezamento.

CPB

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *