Mesmo com ordem judicial, família não consegue vaga para idoso em UTI

ordem caso uaiMais um descaso com a saúde pública. Ricardo Lúcio, de 84 anos, deu entrada na UAI do Bairro Tibery com um quadro de AVC Hemorrágico. É nesse momento que a família é avisada de que ele precisa ser transferido com urgência para uma UTI, para receber o tratamento adequado.

Do atendimento a família não o tem o que reclamar. Os médicos fazem o que podem. No domingo (07) a família procurou o Ministério Público e ajuizou uma Ação Civil Pública, pedindo a transferência imediata para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) pública ou privada.

Porém, a transferência não foi feita no dia requisitado e o estado de saúde dele está se agravando a cada instante.

A família quer a nossa ajuda para que a secretaria de saúde tome providências.

Veja na reportagem completa de Anderson Magrão:

2 respostas a Mesmo com ordem judicial, família não consegue vaga para idoso em UTI

  1. Matheus Guerra disse:

    Me recordo a pouco tempo e não confirmei a informação sobre o governo do município ter feito a doação de mais de 1 milhão de reais para o carnaval da cidade. Lembrei disso quando ouvi a promotora dizendo “mais importante e a aplicação de verba publica para saúde ou aplicação dessa verba para publicidade”. Sou leigo no assunto mais acredito que essa verba investida em leito de UTI já seria uma boa ajuda.
    O que podemos fazer para melhorar o trabalho dos nossos representantes no governo?

  2. CHRISTIAN MAGELO PACHECO disse:

    Boa tarde,na quarta feira dia 05 de fevereiro de 2015 eu vive esta mesma situação na cidade de Uberlândia. em questão a minha mãe foi internada no uai pampulha onde foi recomendado a transferência dela para uma UTI com urgência. porém me disseram que não havia UTI disponível em nenhum dos hospitais e que eu deveria correr atrás,sendo assim tive que contratar um advogado e eu também ficar até quase madrugada atrás de juiz no fórum por vários dias.quando na sexta foi expedido uma intimação e entregue pelo oficial de justiça ao órgão responsável, onde ai em menos de 20 minutos conseguiram uma UTI e uma ambulância para transferência de minha mãe. fiz uma pergunta aos responsáveis pelo hospital, que foi a seguinte:como onde não existia UTI disponível, após a entrega do mandato judicial em 20 minutos conseguiram a UTI e ainda a ambulância para a transferência. quando na verdade 20 minutos não são suficientes nem para a limpeza e higienização da UTI. Um determinado médico que não vem ao caso o nome neste momento disse que dão preferência para pessoas mais jovens, ou seja, nossos idosos não importam,não interessam para o governo… revoltante! minha mãe faleceu no domingo dia 08 fevereiro 2015. a médica que fez a transferência me adiantou ainda dentro da ambulância que o quadro dela já era irreversível, pois apresentava morte cerebral provavelmente pela demora na transferência.
    Boa sorte, aos familiares e infelizmente essa é a dura realidade que temos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *