Suposta mandante de crime contra grávida também teria sequestrado bebê no Ipanema

Shirley, possivél mandante do crime

Shirley, possível mandante dos crimes

A Polícia Civil, que investiga o caso do assassinato brutal da grávida Greiciara Belo Vieira, de 19 anos, informou que a principal suspeita de encomendar o crime, Shirley de Oliveira Benfica, de 30 anos, já era investigada pelo sequestro de um bebê de dois meses em Uberlândia. O roubo do bebê foi no dia 6 de agosto no Bairro Ipanema.

Conforme as investigações da PC, a suspeita abandonou a criança em uma construção no Ipanema porque já estava grande para se encaixar no plano dela. Este plano seria, supostamente, enganar um namorado com quem ela queria manter o relacionamento, portanto teria inventado uma gravidez. Ela e o homem mantinham contato de longe. Como o bebê já estava maiorzinho, não daria para sustentar a mentira.

Veja também –

Mãe pode ter vendido bebê dado como sequestrado em Uberlândia

Segundo a delegada de Uberlândia Gabriela Garcia Damasceno, a PC já havia pedido a interceptação telefônica de Shirley Benfica, porém, antes que ele fosse deferido pela justiça, houve o outro delito. Desta vez, no entanto, o crime foi bárbaro.

As investigações apontam que Shirley conhecia a mãe do bebê sequestrado e frequentava a casa dela.

Enfermeira estaria ajudando nas buscas de um bebê para a suspeita

Ainda conforme informações da Polícia Civil, a enfermeira Jacira Santos de Oliveira, de 60 anos, que teria feito a cesárea clandestina em Greiciara, estava ajudando Shirley a encontrar uma criança recém-nascida.

Shirley confessou ter pedido um recém-nascido para amigos no Facebook e prometia R$ 3 mil para quem conseguisse, mas negou toda essa versão em depoimento. Ela afirma ter prometido somente um celular e um corte de cabelo a um dos envolvidos. No entanto, os materiais usados na morte de Greiciara foram comprados no cartão de Shirley.

Para a delegada os outros envolvidos teriam contado que o plano de Shirley era registrar o bebê em nome do namorado de alto poder aquisitivo, morador de Araguari, e depois matá-lo.

A investigação ainda não foi concluída.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *