Secretaria de Saúde alerta sobre formas de prevenção de hepatites virais

Secretaria de Saúde alerta sobre formas de prevenção de hepatites viraisAs hepatites virais mais comuns são as causadas pelo vírus A, B e C. Em grande parte dos casos, são doenças silenciosas, mas quando se manifestam, os sintomas mais comuns são febre, fraqueza, mal-estar, dor abdominal, enjoo/náuseas, vômitos, perda de apetite, urina escura, icterícia, fezes esbranquiçadas.

Também conhecida como ‘hepatite infecciosa’, a hepatite A é causada pelo vírus VHA. Sua transmissão é feita pelo contato entre indivíduos ou por meio de água ou alimentos contaminados.  Em 2014, 139 casos de hepatite A foram notificados em Minas.

O Ministério da Saúde introduziu em 2014 a vacina contra a hepatite A no calendário infantil para crianças de 1 a 2 anos de idade. Mas as doença pode ser evitada por meio de melhorias nas condições de higiene e de saneamento básico.

“Regras simples de higiene pessoal, como por exemplo, lavar as mãos regularmente e lavar bem, com água tratada, clorada ou fervida os alimentos que são consumidos crus também evitam a doença”, explica a coordenadora de DST/AIDS e Hepatites Virais da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), Jordana Costa Lima.

Hepatite B

Em 2014, 1.290 pessoas foram contaminadas com o vírus HBV, que causa a hepatite B. A doença é considerada sexualmente transmissível (DST), porque pode ser transmitida de pessoa a pessoa por meio do contato com sêmen, saliva e secreções vaginais durante a  relação sexual desprotegida.

Mas a hepatite B também pode ser transmitida por via sanguínea ao compartilhar materiais perfurantes como seringas, agulhas, cachimbos, lâminas de barbear e depilar, alicates de unha e por transfusão de sangue contaminado. Outra forma de contaminação acontece de mãe portadora do vírus B para a criança, que se dá durante a gestação, o parto ou a amamentação.

 Atualmente, a vacina contra a hepatite B também é disponibiliza gratuitamente em qualquer posto de saúde. Mas, para ter direito é necessário ter até 49 anos ou pertencer ao grupo de maior vulnerabilidade: gestantes, trabalhadores da saúde, bombeiros, policiais, manicures, populações indígenas, doadores de sangue, gays, lésbicas, travestis e transexuais, profissionais do sexo, usuários de drogas, portadores de DST.

“Outras medidas para evitar a doença são: usar camisinha em todas as relações sexuais e não compartilhar objetos de uso pessoal e/ou perfurantes. Além disso, toda mulher grávida precisa fazer o pré-natal e os exames para detectar a hepatite, a AIDS e a sífilis. Esse cuidado é fundamental para evitar a transmissão de mãe para filho”, explica Jordana.

Hepatite C

A hepatite C é causada pelo vírus C (HCV). No ano passado, em Minas Gerais, 1.288 pessoas foram contaminadas por este tipo da doença. A transmissão ocorre, dentre outras formas, por meio de transfusão de sangue, compartilhamento de material para preparo e uso de drogas, objetos de higiene pessoal, alicates de unha, além de  outros objetos que furam ou cortam.

“Não existe uma vacina contra a hepatite C, o melhor é optar pela prevenção.  A melhor forma de evitar a doença ainda é o uso dos preservativos, não compartilhar seringas e objetos perfurantes”, orienta a coordenadora Jordana Lima.

Notificações de casos – Hepatites A / B / C em Minas Gerais, 2010 – 2015
Ano

Vírus A

Vírus B

Vírus C

Total

2010

339

1187

879

2.405

2011

465

1524

1189

3.178

2012

299

983

823

2.105

2013

147

997

933

2.077

2014

139

1290

1288

2.717

2015

79

544

570

1.193

Total

1.468

6.525

5.682

13.675

Fonte: SINAN/CDAT/DVE/SVEAST/SVPS/SES-MG

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *