Atlético-MG sofre gol no fim e amarga segunda derrota seguida na Libertadores

Atlético-MG sofre gol no fim e amarga segunda derrota seguida na Libertadores

 

Sinal amarelo para o Atlético na Libertadores da América: jogando em casa, o alvinegro perdeu pela segunda vez na Libertadores, complicando sua situação no Grupo 1. Com a derrota por 1 a 0 para o Atlas, em pleno estádio Independência, o Galo permanece no último lugar da chave, com nenhum ponto somado em duas rodadas, três gols sofridos e nenhum gol marcado. O gol da vitória do time mexicano foi marcado por Vilar, aos 41 minutos do segundo tempo.

O Atlas assustou a torcida do Atlético logo com quatro minutos de bola rolando: Millar recebeu a bola na grande área, livrou-se da marcação de dois defensores atleticanos e buscou o canto esquerdo do gol. A bola saiu pela linha de fundo, passando rente à trave. Os mexicanos se aproveitaram dos espaços deixados pela zaga do Galo e ameaçaram pelo lado esquerdo do campo, com investidas de Millar e González.

O Galo precisou de cerca de 20 minutos para se reorganizar e entrar no jogo. Abusando do jogo aéreo e da bola parada, os donos da casa mostraram disposição, mas pararam nos erros de finalização e em Vilar. O goleiro do Atlas, inclusive, quase se complicou duas vezes: aos 19, o camisa 3 errou a saída de bola e facilitou a roubada de bola de Luan. Perseguido pela marcação, o atacante só teve tempo de bater de bico, mas o chute foi para fora.

Outra trapalhada de Vilar contribuiu para uma das melhores chances do Atlético no primeiro tempo: aos 32, Dátolo cobrou falta, levantando a bola na área. O goleiro rebateu a bola na cabeça de André, que estava de costas e não conseguiu reagir a tempo e aproveitar o gol aberto. Mais cedo, aos 22, o arqueiro do Atlas já havia sido traído por um desvio na bola: depois de chute forte de Luan da intermediária, a bola resvalou na cabeça do marcador e passou perigosamente por cima do travessão.

E, aos 36 minutos, a bruxa voltou a rondar o Atlético: sem poder contar com cinco titulares, todos machucados, Levir Culpi ainda foi forçado a queimar sua primeira substituição para tirar o capitão Leonardo Silva do jogo. Com um dedo da mão esquerda lesionado, o zagueiro não suportou as dores e foi trocado por Edcarlos.

Jogando com o tempo a seu favor, o Atlas tratou de segurar o jogo e tentar diminuir o ritmo do Atlético, retardando cobranças de falta e travando reposições de bola. Na volta para o segundo tempo, o técnico alvinegro colocou o meia Cárdenas no jogo, abrindo o time com a saída de Leandro Donizete.

A mudança surtiu efeito e o Atlético partiu para cima logo no começo do segundo tempo. Aos 4, Lucas Cândido arrematou da entrada da área, acertando um chutaço e forçando Vilar a defender de mão trocada. Dois minutos depois, André balançou as redes, mas em posição de impedimento. O gol foi corretamente anulado pela arbitragem.

Quando o gás inicial do Atlético diminuiu, o Atlas foi ganhando campo graças ao problema de marcação dos anfitriões e teve boas chances de abrir o placar. Primeiro, com Keno, que, com 15 minutos, dominou e emendou para Victor praticar boa defesa. Depois, aos 24, Medina bateu de primeira da entrada da área, em chute que explodiu no travessão. Por fim, Millar, nas costas da defesa, escorou de bico e só não marcou porque o goleiro atleticano defendeu no susto.

Pressionado, o Atlético foi para o tudo ou nada. Mas, desorganizado em campo, o Galo tropeçou em seus próprios erros – tanto de passe quanto de finalização – e na falta de inspiração dos armadores. O golpe de misericórdia veio aos 41 minutos do segundo tempo: Suárez aproveitou-se de um apagão defensivo e partiu em velocidade, em posição legal. Sem marcação, o atacante teve tempo de finalizar com tranquilidade, na saída do goleiro Victor, fazendo o gol da vitória do Atlas.

A sexta derrota do Atlético no estádio Independência desde 2011 arrancou vaias da torcida, que viu o time perder o terceiro jogo seguido na temporada – dois pela Libertadores e o clássico contra o América pelo estadual. Com a corda no pescoço, o campeão da Copa do Brasil encerra o turno fora de casa, diante o colombiano Independiente Santa Fé, no dia 18 de março.

Atlético-MG 0 x 1 Atlas-MEX

Segunda rodada da Libertadores da América
Estádio: Independência, em Belo Horizonte (MG)
Árbitro: Dario Ubriaco (URU)
Auxiliares: Mauricio Espinosa (URU) e Nicolas Taran (URU)
Cartões amarelos: Vilar e Medina (Atlas) e Victor (Atlético-MG)
Gols: Suárez (Atlas), aos 41 minutos do segundo tempo

Atlético-MG
Victor; Patric, Leonardo Silva (Edcarlos), Jemerson e Lucas Cândido; Leandro Donizete (Cárdenas), Rafael Carioca, Luan, Dátolo e Maicosuel (Dodô); André
Técnico: Levir Culpi

Atlas
Vilar; Venegas, Pérez, Kannemann e Castillo; Medina, Rodríguez, Millar (Treviño) e Arturo González; Keno (Suárez) e Luis Caballero (Barragán)
Técnico: Tomás Boy

 

EBC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *