Cineclube de novembro faz homenagem a cinéfilo

Luciano França, cinéfilo, é homenageado no Cineclube Cultura

Neste mês de novembro, o Cineclube Cultura homenageia um cinéfilo fiel às sessões do grupo: Luciano França, que faleceu em julho. Luciano era médico, psicanalista, historiador e do tipo difícil de ser esquecido, não só pela sua inteligência e cultura, mas também por sua generosidade com pacientes e amigos.

“Luciano era do tipo que gostava da vida, cultivava as amizades como ninguém, gostava de música, poesia, e claro, gostava de cinema. Estas noites de novembro são dele, de filmes de que ele gostava e da música de Chico Buarque, um de seus compositores preferidos. Estas noites são também de todos nós, que com ele con(vivemos)”, disse Paulo Torres, idealizador do Cineclube Cultura.

A mostra “Memórias de um Cinéfilo – Luciano França” tem na programação mais do que filmes. No sábado (10), às 19h, a Oficina Cultural recebe o lançamento do livro de Evandro Piza, “Flor do Fogo, Memórias Cerradas”, obra de poemas dedicados a Luciano França. Logo após, às 20h, será exibido o filme “A festa de Babette”. No domingo (11), é a vez do filme “As pontes de Madison”.

No outro sábado (17), os interessados podem conferir “Cinema Paradiso” e, no domingo (18), “Chico Buarque – Roda Viva”. As exibições são sempre às 20h, na Sala Roberto Rezende da Oficina Cultural, que fica na praça Clarimundo Carneiro, 204, no bairro Fundinho.

Serviço:
10 de novembro (sábado)
19h
Lançamento do livro “Flor do Fogo, Memórias Cerradas”, de Evandro Piza

20h
“A festa de Babette” (Babettes gæstebud, Dinamarca, 1987)
Direção de Gabriel Axel
Com Stéphane Audran, Bodil kjer, Birgitte Federspiel
Cor, 102 min.

A história se passa num vilarejo minúsculo varrido pelo vento na costa da Jutlândia, na Dinamarca. O diretor Gabriel Axel repensa todo o relacionamento entre as vidas austeras levadas por duas irmãs idosas, que integram a comunidade religiosa do vilarejo e o hedonismo suntuoso do banquete preparado uma única vez para elas e seus companheiros de devoção por Babete (Stéphane Audran), a empregada que chega a Jutlândia como refugiada das comunas de Paris.

11 de novembro (domingo)
20h
“As pontes de Madison” (The Bridges of Madison County, EUA,1995)
Direção de Clint Eastwood
Com Clint Eastwood, Meryl Streep,Annie Corley
Cor, 135 min.

Inspirado no livro publicado em 1992 por Robert James Waller, “As Pontes de Madison” conta a história de Francesca (Meryl Streep), uma mulher casada que se envolve com Kincaid (Clint Eastwood), fotógrafo da revista National Geographic, que vai até o condado de Madison, em Iowa, interior dos EUA, registrar imagens das famosas pontes cobertas. Com a ausência da família e sozinha, ela vive quatro dias de uma avassaladora paixão.

17 de novembro (sábado)
20h
“Cinema Paradiso” (Nuovo Cinema Paradiso, Itália, 1988)
Direção de Giuseppe Tornatore
Com Philippe Noiret, Enzo Cannavale, Antonella Attili
Cor, 155 min.

Marcado por um toque autobiográfico, o segundo filme do diretor italiano Giuseppe Tornatore é uma evocação nostálgica da sua infância, mas também dos tempos felizes, antes da televisão, quando as pessoas iam ao cinema. O filme conta a história de um cineasta que, ao saber por sua mãe que “Alfredo morreu”, começa a se lembrar dos anos 50, quando era um menino que morava em uma pequena cidade na Sicília e passava a maior parte do tempo no Cinema Paradiso. Lá tornou-se amigo do operador Alfredo (Philippe Noiret), um pai substituto, que, após ficar cego durante um incêndio, continuou a trabalhar com a ajuda do menino. Tudo na aldeia gira em torno do cinema, um local de diversão, mas também de reuniões e fofocas.

18 de novembro (domingo)
20h
“Chico Buarque – Roda Viva” (Brasil, 2006)
Documentário
Direção de Roberto de Oliveira

Eram os anos 60. As mudanças culturais, como a revolução comportamental, a inquietação política e as engrenagens da indústria do entretenimento são o pano de fundo desta retrospectiva da obra de Chico Buarque, que tem como tema o início da carreira do compositor. Estão presentes toda a paixão dos festivais de música dos anos 60, em raras imagens de arquivo. Participações de Nara Leão, Vinícius de Moraes, Toquinho, Donga, Edu Lobo, Gilberto Gil, Tom Jobim e outros artistas. As imagens mostram as consagrações ao vivo de “A Banda” (1966), “Disparada” (1966), “Roda Viva” (1967), “Alegria, Alegria” (1967) e “Sabiá” (1968). Tudo isso comentado pelo próprio Chico.

Oficina Cultural de Uberlândia – Sala Roberto Rezende
Praça Clarimundo Carneiro, 204, Fundinho
Entrada franca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *