Comerciantes da Ceasa reclamam de reajuste no preço para usar o espaço

Produtores rurais reclamam de taxas para expor suas mercadorias no Ceasa

Produtores rurais reclamam de taxas para expor suas mercadorias no Ceasa

Produtores que comercializam na Ceasa (unidade local das Centrais de Abastecimento de Minas Gerais S.A.) reclamam de aumento na taxa de ocupação do espaço para vender as mercadorias. Os comerciantes estão indignados com o novo preço e alguns alegam que não vão pagar o carnê.

Para o uso do espaço no mercado livre do produtor cada comerciante precisa comprar um carnê com cinco folhas. Cada uma dessas folhas dá direito ao uso de um espaço numerado, mas o carnê passou a custar R$ 104. Antes o valor era de R$ 85.

O diretor Ceasa de Uberlândia, Claudio Rodrigues, afirmou que o reajuste leva em consideração uma série de fatores, como o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e, aos valores de manutenção do estande de venda, conhecido como pedra. Mas, que,  neste ano, foi preciso uma compensação em relação à defasagem  do ano passado, por isso, o reajuste foi de cerca de 9%, menos da metade do aumento de 2016.

Vinicius Lemos

Assista à reportagem completa com o repórter Vinícius Lemos e imagens de  Romens Almeida e Ronivon Santos:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *