Mulher diz ter contraído infecção após injeção sem assepsia adequada

Injeção mal dada 4 Uma moradora de Ituiutaba, no Pontal do Triângulo denunciou o Pronto-Socorro da cidade por contrair uma infecção grave após aplicação de medicamento intramuscular, via injeção.

O caso começou no dia 24 de fevereiro deste ano, quando Ivonete procurou o Pronto-Socorro de Ituiutaba por causa de uma dor no braço direito. O médico receitou uma injeção na nádega e que, em seguida, ela procurasse por um ortopedista.

Injeção mal dada2Ivonete alega que a enfermeira não estava de luvas no momento da aplicação. A agulha entortou e a profissional usou as mãos, ainda sem luvas, para endireitá-la, e seguiu com o procedimento. Três dias depois a paciente começou a sentir os primeiros sintomas.

O local onde foi aplicado o medicamento inchou e começou a doer. Depois de alguns dias apareceram manchas escuras e ela voltou ao médico. O diagnóstico foi de uma infecção no local. O médico fez um corte e retirou pus, mas o problema persistiu e ela teve que passar por uma cirurgia no Hospital São José.

Injeção mal dada 3Três meses se passaram e Ivonete continua com um dreno no local e dores. A bactéria está resistente aos medicamentos.

Por causa do problema parou de trabalhar, teve prejuízo nos negócios e se sente abandonada pelo poder público.

Posicionamento do Pronto-Socorro

Em nota a diretora técnica da unidade de Pronto-Atendimento municipal de Ituiutaba, Dra Nathália Luiz Martins informou que apesar de ser um procedimento simples, vários estudos apontam que medicações intramusculares podem apresentar complicações.

Ela garantiu que a técnica utilizada para aplicação foi desempenhada de forma correta, tamanho da seringa, volume do medicamento, área de aplicação e profundidade corretas e assepsia adequada.

Afirmou ainda que logo que constatado o problema na paciente foram tomadas as medidas necessárias para tratamento e acompanhamento. A paciente foi consultada na unidade de saúde e transferida ao Hospital São José para continuidade do tratamento.

Gabriela Ceschim

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *