Traficantes tentam atear fogo em professor que luta contra as drogas

traficantes jogam gasolina e tentam queimar professor vivoUm professor de escola estadual quase foi queimado vivo em Uberlândia, no Triângulo Mineiro na noite desta segunda-feira, 28 de março. A vítima, que pediu para não ser identificada, foi alvo de um atentado. Dois traficantes invadiram a Escola Estadual Professor Inácio Castilho, no Bairro Santa Luzia, e tentaram colocar fogo no docente.

O professor está sendo ameaçado por traficantes, porque luta contra a venda de drogas na porta de outra escola no Bairro Marta Helena, onde ele leciona. Por volta de 20h, os traficantes esperaram que o professor saísse da sala de aula e, no estacionamento, jogaram gasolina no corpo dele. Antes que ateassem fogo ele conseguiu correr.

A polícia tem informações sobre os suspeitos e preferiu não gravar entrevista para não atrapalhar as investigações.

Leo Carvalho

4 respostas a Traficantes tentam atear fogo em professor que luta contra as drogas

  1. Nayara disse:

    Tem que matar um por um esses traficantes vagabundos. Vai trabalhar cambada da desgraça

  2. véi disse:

    Pega essas desgraças de traficantes de [email protected], vendedor de bagulhinho em porta de escola e coloca lá no crematório do novo cemitério. Parece que lá está precisando de voluntários para testar o forno. Liga no fogo baixo, e deixe assar por 2 horas. Aí é só servir pro capeta…

  3. Cassio disse:

    Mas como a direção desta escola deixa traficantes entrae. Visto que o Estácionento dos professores e dentro da escola. Tem que investigar como estes traficantes entraram na escola.

  4. Professor disse:

    Pior do que mais uma noticia de ameaça a um educador, é o descaso e negligencia na qual as autoridades cuidam desses casos, principalmente a “centenária”. Com certeza a PM conhece cada traficante do Marta Helena, isso eu garanto, e entra ano e sai ano, sabemos os problemas que as escolas daquela região enfrentam, inclusive alguns anos atrás, em plena saída de alunos, dois jovens foram exterminados quase que na porta da escola justamente por envolvimento com o trafico. E agora? Uma tentativa de homicídio, de forma mais cruel possível, como a policia vai tratar essa questão? Descobriram a escola de dobra do professor, quanto tempo até descobrirem a casa dele, se já não o fizeram? E quantos outros não são ameaçados por justamente fazer o sua função?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *