Caramujos africanos se alastram no bairro Santiago, em Araguari

Diariamente, moradores capturam cerca de 20 animais

Diariamente, moradores capturam cerca de 20 animais

Moradores do bairro Santiago, em Araguari, estão assustados com a infestação de caramujos africanos na região. A proliferação do molusco seria por conta do excesso de mato nos terrenos vagos no bairro e também pela sujeira e entulhos jogados nessas áreas. A principal preocupação é com as crianças, uma vez que uma menina morreu em decorrência de problemas relacionados ao caramujo. Segundo um morador o centro de controle de zoonoses foi comunicado, mas não tom ou providências

Os caramujos africanos são hospedeiros de duas verminoses que acometem humanos. A angiostrongilíase meningoencefálica e angiostrongilíase abdominal. Ao se deparar com esse tipo de animal, jamais pegue-o com as mãos nuas nem coloque-os no lixo, pois estará disseminando o problema. Também não coloque sal neles pois poderá contaminar o solo.

Faça o seguinte:

  • Utilize luvas descartáveis manusear os caramujos;
  • Proteja a pele e as mucosas: não coma, fume ou beba durante o manuseio;
  • Coloque os caramujos em dois sacos plásticos e quebre suas conchas, pisando em cima;
  • Enterre-os em valas com pelo menos 80 cm de profundidade, longe de cisternas, poços artesianos ou do lençol freático;
  • Aplique cal virgem sobre os caramujos quebrados (cuidado, a cal queima a pele);
  • Feche a vala com terra;
  • Retire as luvas e lave muito bem as mãos após isso;

O caramujo-africano foi introduzido ilegalmente no Brasil na década de 80 para substituir o escargot. Como não bem aceito no mercado nacional, os criadores se desfizeram dos animais simplesmente liberando-os em jardins, matas ou lixo. Sem predadores naturais à altura, multiplicaram-se rapidamente, e tornaram-se praga. Cada caramujo pode por cerca de 400 ovos por ano.

Fonte: jardineiro.net

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *