Ronco e apnéia noturna – como seu dentista pode lhe ajudar!

O ronco é um problema social sério e atinge cerca de 30% das pessoas. É causado pela vibração dos tecidos da garganta devido à turbulência do ar, à medida que as vias aéreas se estreitam.

Este problema tem sido um fator de desagregação familiar, levando a pessoa que ronca, a dormir em quarto separado ou ainda ser motivo de piadas entre companheiros de trabalho ou quando tem que dividir quarto de hotel.

O ronco pode ser agravado pela obesidade, respiração bucal e pelo uso de cigarro ou álcool. Em muitos casos, o ronco é um sintoma de outros problemas, como a Síndrome da Apnéia obstrutiva do sono.

A apnéia do sono é uma obstrução momentânea das vias aéreas durante a noite, causada pela aproximação dos tecidos da garganta, que fecha a passagem do ar e impede a respiração por alguns segundos. Os principais sintomas são o ronco e a sonolência diurna excessiva.

A apnéia noturna ocorre com maior frequência em homens a partir dos 30 anos e nas mulheres a partir da menopausa. É considerado um problema muito sério, pois quando ocorre em níveis elevados, tende a agravar certas doenças, como a hipertensão, o enfarte do miocárdio e o derrame, que podem levar à morte.

Para que se possa realizar o tratamento mais adequado, deve-se inicialmente, determinar o grau de severidade da apnéia, através da polissonografia. Este exame é realizado, num laboratório especializado, onde o paciente é completamente avaliado, durante uma noite inteira, enquanto está dormindo.

Os tratamentos disponíveis para o tratamento da apnéia do sono são:
  1. Os aparelhos de pressão positiva (CPAP): indicados nos casos de apnéias moderadas ou graves são adaptados pelo médico especialista em sono.
  2. Cirurgias que podem estar indicadas: uma realizada pelo Otorrinolaringologista para reduzir os tecidos da garganta ou a cirurgia ortognática, que deve ser executada por um Cirurgião dentista, especialista em  Bucomaxilofacial, visando o avanço de apenas um ou os dois maxilares.
  3. Os aparelhos intra-orais são placas presas aos dentes, que se articulam entre si avançando a mandíbula. Isso faz com que os tecidos da garganta se afastem, evitando o ronco e a apnéia do sono. De fácil adaptação, são indicados nos casos de ronco primário (sem apnéia) e nas apnéias obstrutivas leves e moderadas. Tem sido a alternativa mais conservadora. São adaptados por dentistas com conhecimento e treinamento em medicina do sono.
 Fontes:http://www.polisono.com.br

http://www.dentistadosono.com.br

Alexandre Vieira Fernandes

coluna.saudebucal

Sobre Coluna Saúde Bucal

Dr. Alexandre Vieira Fernandes graduou-se em Odontologia pela Universidade Federal de Uberlândia em dezembro de 1985. É mestre e doutor em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial e mestre em Estomatologia pela UNESP - Araçatuba. Atuou como pesquisador pelo CNPq na área de CTBMF e como professor do curso de Odontologia da Universidade Federal de Uberlândia. Atualmente é docente de Cirurgia e Traumatologia Buco-maxilo-facial do Curso de Odontologia da UNITRI. Diretor presidente da Primer Odontocenter - www.primerodontocenter.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *