O Maestro PH Ganso no São Paulo FC: É uma boa?

Finalmente, acabou a novela. Paulo Henrique Lima, o Ganso, trocou o Santos FC pelo São Paulo FC. Uma das maiores revelações do futebol brasileiro nos últimos anos protagonizou uma série de confusões com o Peixe até trocar de clube. Contusões, negociações, recusas de propostas, troca de farpas públicas, má vontade em campo, tudo isso contornou a vida de Ganso de dois anos para cá, com apresentações esporádicas daquele futebol genial apresentado em 2010. Por isso a dúvida: Vale a pena investir R$ 23,9 milhões em Ganso hoje?

Paulo Henrique tem um talento genial. Quem o acompanhou no início de carreira sabe disso. Sua maestria e elegância em campo são raramente vistas na história do futebol mundial e não é exagero dizer isso. Mas as confusões e contusões vividas de uns anos para cá ofuscaram-no e o transformou em uma grande incógnita. Na Seleção, perdeu a camisa 10 e a confiança de muita gente.

Minha dúvida é se Ganso tem problemas sérios fisicamente ou de cabeça. Se for físico, dificilmente o Tricolor conseguirá extrair o melhor do novo camisa 8. Se for de cabeça, a saída do Peixe poderá fazer renascer aquele gênio despontado no início da década e ser um dos maiores da história do clube, assim como foi no breve período alvinegro. Particularmente, acho que o problema maior de Ganso é a parte emocional, muito afetada pelo grupo de empresários que o rodeia. Pelo sim e pelo não, creio que o São Paulo FC fez uma boa aposta em contratar o atleta. Precisava de um camisa 10 às antigas e o jogador precisava do clube.

O grande maestro brasileiro

Falando em maestros brasileiros, ninguém supera João Carlos Martins. Exemplo de talento fora do comum e superação, João Carlos teve um nervo rompido e perdeu os movimentos da mão direita em um acidente em um jogo de futebol em Nova Iorque e, mais tarde, desenvolveu uma doença chamada Contratura de Dupuytren, o impossibilitando de tocar piano. Quando estava se recuperando, sofreu um assalto e foi agredido na cabeça em Sofia, Bulgária, perdendo novamente parte dos movimentos das mãos.

Para muitos, estava desabilitado como músico, mas João continuou com sua força de vontade fora do comum e é, hoje, um dos maiores maestros e exemplos de vida. Como não consegue segurar a batuta e virar as folhas, memoriza cada nota e as interpreta de forma única. Um exemplo de talento, paixão e força de vontade.

coluna.futebol

Sobre

Vinícius Ramos - Jornalista, amante do futebol e de cinema, música e quadrinhos. Já teve textos publicados no site Lancenet! e é amante ferrenho do futebol bem jogado, assim como do cinema clássico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *